Tag Archive: água


Uros

A 3820 metros de altitude, o Lago Titicaca é o mais alto lago navegável do mundo. Está situado na divisa entre Peru e Bolívia, em meio ao altiplano andino. E, na margem peruana do lago, próximo ao município de Puno , um ecossistema todo único cria uma combinação de águas calmas e plantas aquáticas conhecidas como totorasE em meio a esse ecossistema habitam os indígenas Uros, que usam as propriedades das totoras para criarem basicamente tudo que usam. A começar pelo terreno onde vivem: as fantásticas ilhas flutuantes. O piso das ilhas e as construções são todas feitas com esse tipo de palha.

Uros Islands 4

 

Uros Islands 1Uros Islands 3Uros Islands 2Uros Islands 5Uros Islands 6Uros Islands 9Uros Islands 8Uros Islands 7

Anúncios

Fotografar à noite sob chuva é interessante porque as ruas molhadas criam reflexos adicionais e dão mais brilho à imagem. Nesta imagem, tirada na avenida principal de Campos do Jordão, havia algumas pessoas passando esporadicamente, mas a iluminação da rua era muito fraca, o que me obrigou a aumentar o tempo de exposição. Isso não foi ruim, porque com velocidade baixa as gotas tornam-se riscos, como pode ser visto no brilho da lâmpada da rua, acentuando a sensação de peso da chuva.

O cenário era interessante mas para completá-lo faltava um ator; mas era raro alguém passar do lado que eu estava da calçada, em geral as pessoas passavam na praça ao fundo ou do outro lado da avenida. Quando este senhor se aproximou, notei que a forma do guarda-chuva combinaria (razoavelmente) com o telhado da guarita abandonada, no fundo. Quando os dois se aproximaram na cena, disparei.

Photographing during rainy nights is usually interesting because wet streets and sidewalks add glow and reflex to the image. In this particular scene, taken at the main avenue in Campos do Jordão, there were few people walking and street light was feeble, so I was forced to decrease shutter speed. It showed to be a good thing, because at low speed water drops turn into lines, as it can be seen around the street lamp, increasing the sensation of heavy rain.

The stage was ready, but I was lacking an actor; when this mister came closer, I noticed that the shape of his umbrella would (roughly) match that of the cabin on the second plan. When both were close together I fired the shutter.

Gotas

Não é chuva nem nada glorioso. É uma goteira vinda de infiltração num muro dando numa sarjeta em Indianópolis. Possível foco de dengue e outras doenças horrorosas, como vocês podem imaginar. Mas que, aos olhos de uma lente 105mm são gotas graciosas, que pingam e repicam como se estivessem dançando.

It’s not the rain, nor anything glorious. It’s just a drip coming from water infiltration on a wall, falling into a gutter by the sidewalk at Indianopolis District (São Paulo). A possible outbreak of dengue and many other terrible diseases, just you can figure. However, to the eyes of a 105mm lens, these are graceful water droplets, that trickle  and peak just like they were dancing.

A dança das gotas / The droplets' dance


%d blogueiros gostam disto: